Cultos
Terça-Feira:
9:00h - Oração
19:30h - Culto de Louvor a Deus
Quarta-Feira:
16:00h - Reunião
19:30h - Culto de Louvor a Deus
Quinta-Feira:
8:00h - Oração
19:30h - Culto de Louvor a Deus
Sexta-Feira:
9:00h - Oração
19:30h - Culto de Louvor a Deus
Domingo:
9:300h - Escola Bíblica Dominical
10:30 - Culto de Louvor a Deus
19:00h - Culto de Louvor a Deus
VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: 40% DOS CASOS DE AGRESSÃO, OCORREM EM MULHERES EVANGÉLICAS.



Fonte: Fagner Maia/Ministério de Comunicação IBRENJ, com informações do site Gospel Mais. - 01/12/2016 - 10h23min
VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: 40% DOS CASOS DE AGRESSÃO, OCORREM EM MULHERES EVANGÉLICAS. (Foto: )

A violência doméstica é uma triste realidade no Brasil e uma pesquisa descobriu uma informação ainda mais alarmante: 40% das mulheres que se declaram vítimas de agressões físicas e verbais de seus maridos são evangélicas.

A descoberta é resultado de uma pesquisa a partir de relatos colhidos por organizações não-governamentais (ONGs) que trabalham no apoio às vítimas desse tipo de violência.
 
“Não esperávamos encontrar, no nosso campo de pesquisa, quase 40% das atendidas declarando-se evangélicas”, diz um trecho do relatório divulgado, de acordo com informações da Rede Super.
 
A surpresa não é maior do que a preocupação que existe sobre o contexto das agressões: muitas das vítimas dizem sentirem-se coagidas por seus líderes religiosos a não denunciarem seus maridos.
 
“A violência do agressor é combatida pelo ‘poder’ da oração. As ‘fraquezas’ de seus maridos são entendidas como ‘investidas do demônio’, então a denúncia de seus companheiros agressores as leva a sentir culpa por, no seu modo de entender, estarem traindo seu pastor, sua igreja e o próprio Deus”, denuncia o documento.
 
Os responsáveis pelo estudo ressaltam, no relatório, que as comunidades de fé onde essas mulheres que sofrem violência congregam precisam agir de maneira diferente: “O que era um dever, o da denúncia, para fazer uso de seu direito de não sofrer violência, passa a ser entendido como uma fraqueza, ou falta de fé na provisão e promessa divina de conversão-transformação de seu cônjuge”, constatam.
 
Para o advogado Antônio Cintra Schmidt, a igreja pode ter condições de ajudar a mulher que se encontra nesta situação de forma mais efetiva: “Seria muito interessante se as igrejas tivessem esse acompanhamento e esse grupo para ajudar na conscientização da mulher”, comentou. “A mulher tem um receio tremendo por todos esses fatos, de fazer uma denúncia, de expor a convivência familiar dela e em qualquer nível. Acontece que às vezes não é ela quem expõe. O vizinho, por exemplo, vê uma agressão e pode fazer a denúncia. E feita a denúncia, a Polícia vem e dali para frente não tem mais como parar o processo”, explicou.
Compartilhar:
Comentários
Nome
E-mail
Comentário
Digite o que aparece na imagem ao lado!
   
1
Contato
Rua do Engenho Novo, 229 - centro
Sampaio - Rio de Janeiro - RJ
Fone: (021) - 2501-4522
Fax: (021) - 2241-3976
© 2011 - Todos os Direitos Reservados Produzido por Inovasite